Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate - Tradução do site

ptenfrdeitesth

Opções de acessibilidade

Você está aqui: Página inicial > Últimas Notícias > Projeto de iniciação científica descobre condição ótima de estabilidade da nanopartícula de prata
Início do conteúdo da página
Pesquisa

Projeto de iniciação científica descobre condição ótima de estabilidade da nanopartícula de prata

A nanopartícula tem propriedades bactericidas e fungicidas e é aplicada em diferentes ramos industriais

  • Criado: Segunda, 07 de Outubro de 2019, 15h59
  • Última atualização em Quinta, 31 de Outubro de 2019, 16h26

 

Professores da Química do Câmpus Senador Canedo, Deangelis Damasceno e Monise Casanova


A condição ótima das nanopartículas de prata, isto é, o padrão de máxima estabilidade química e um tamanho mínimo. Esta foi a descoberta feita pelos pesquisadores e professores Monise Casanova e Deangelis Damasceno, ambos da área de Química do Câmpus Senador Canedo do Instituto federal de Goiás (IFG), e pelas estudantes, à época, hoje, egressas, Gabriela Ferreira e Amanda Novais. O resultado provém do projeto de iniciação científica “Síntese e caracterização de nanopartículas de prata e otimização de variáveis por quimiometria”.

A nanopartícula de prata possui propriedades bactericidas e fungicidas e tem sido utilizada por empresas do ramo têxtil e hospitalar, na fabricação de camisas, shorts e meias e de eletrodos e em catálises. “São várias as aplicações. O potencial é muito grande. Foi descoberto, recentemente, que as nanopartículas de prata também auxiliam na prevenção de cáries dentárias”, acrescentou a professora Monise.

O objetivo da pesquisa era avaliar as concentrações dos reagentes usados através de um planejamento fatorial para avaliar sua influência na estabilidade de nanopartículas. Monise explicou que, na Química, nem sempre é fácil chegar a um valor exato, o que há, às vezes, é uma leve ideia sobre o comportamento. Era esse o caso das nanopartículas de prata. Segundo ela, com a descoberta da condição ótima não se perderá mais tempo de laboratório testando diferentes concentrações. “Se aplicado, você terá menos tempo, menos reagentes, menos desperdício, o custo será menor. Então são essas as vantagens se você pensar em larga escala”, comentou a professora.

Publicação e iniciação científica

Uma parte do trabalho foi apresentado no Encontro Nacional de Química, de 2018, em Caldas Novas, Goiás, e o trabalho completo no “The Pittsburg Conference And Expo” (Pittcon), em março de 2019, em Pitsburgo, Pensilvânia, nos Estados Unidos da América. E o artigo foi publicado no Jornal de Química Analítica, em uma edição especial voltada aos trabalhos do Encontro Nacional de Química, revista que, conforme a professora Monise, é importante meio nacional de divulgação dos avanços da química analítica no Brasil.

Acesse aqui o artigo.

Para a egressa Amanda Novais, uma das estudantes que participaram do projeto de iniciação científica, o reconhecimento que o trabalho alcançou fez valer toda a dificuldade. “No final, os resultados foram bastante positivos para nós e para a comunidade científica”, disse. Ela contou que a contato com a iniciação científica tão cedo foi “maravilho”, porque a permitiu “ver a importância da ciência e me fez querer fazer outras pesquisas científicas na área de conhecimento que escolhi, a medicina veterinária”.

 

Coordenação de Comunicação Social/Câmpus Senador Canedo.

Fim do conteúdo da página